O CONCEITO DE GESTÃO PARTICIPATIVA

PV.jpg

No domínio das teorias da administração em geral, a «gestão participativa» corresponde a um conjunto de princípios e processos que defendem e permitem o envolvimento regular e significativo dos colaboradores na tomada de decisão.

Este envolvimento manifesta-se, em geral, na participação dos colaboradores na definição de metas e objectivos, na resolução de problemas, no processo de tomada de decisão, no acesso à informação e no controlo da execução. Ele pode assumir graus diferentes de poder e responsabilidade e afectar quer a organização no seu conjunto, quer cada colaborador e o seu posto de trabalho, embora esteja sempre orientado para a realização das finalidades da organização.

No quadro da evolução das teorias da administração, a «gestão participativa» tem a sua origem no «movimento das relações humanas» que se difundiu a partir dos célebres estudos conduzidos entre 1924 e 1933, por Elton Mayo, na Western Electric’s Hawthorne, nos Estados Unidos. Estes estudos e a investigação que se lhes seguiu mostraram a importância do «factor humano» nas organizações relativizando, assim, a ideia de que era possível uma racionalidade da gestão baseada na «organização científica do trabalho», como defendiam Fréderic Taylor e os seus seguidores, desde o princípio do século.

Contudo, apesar de, desde esta altura, e do ponto de vista teórico e empírico, se dar como adquirida a importância dos sentimentos e dos factores afectivos e psicológicos para explicar o comportamento dos indivíduos nas organizações, só muito lentamente é que se introduziram modificações nos processos de gestão nas empresas e outros serviços, de acordo com esses princípios.

Um dos momentos em que se assiste a uma aceleração no desenvolvimento de formas de gestão participativa situa-se nos finais da década de 60, até meados da década de 70, na Europa, onde, por efeito de movimentos políticos e sociais diversos, os trabalhadores e as suas organizações sindicais passam a reivindicar modalidades mais democráticas de gestão que levam à introdução de diversas formas de «cogestão» em muitas empresas e a experiências «autogestionárias».

Mais recentemente, já a partir da década de 80, tem-se assistido ao aparecimento de múltiplas propostas de «estruturas e processos de participação», no quadro de uma profunda modificação dos princípios e métodos da gestão empresarial.

Entre estas estruturas e processos são de referir, segundo a caracterização que Lise Demailly (1991) faz do «ideal-tipo» de gestão participativa, nas empresas industriais:

·         divisão de tarefas e funções que permitam manter, ao nível da pessoa, a coerência entre a escolha dos objectivos, os métodos, a organização, a execução e o controlo;

·         substituição de uma hierarquia de autoridade, por uma hierarquia de competências, de ajuda técnica e de animação de equipas;

·         criação de espaços de negociação sobre os objectivos do trabalho, a qualidade, a organização e as condições de trabalho, no quadro de modelos de decisão mista;

·         avaliação (e progressão na carreira) a partir das capacidades técnicas, mas também da implicação e do grau de participação, envolvendo neste processo os profissionais de base e a hierarquia;

·         criação de «ilhas de produção» através da autonomia e funcionamento colectivos, à volta de projectos contratualizados, e larga delegação de poderes de decisão;

·         utilização da preocupação pela qualidade, como forma de estabelecer relações entre as actividades concretas dos trabalhadores e as finalidades da empresa (criação de estruturas de participação, colectivos de trabalho, redes de comunicação, grupos de projecto, etc.).

Este desenvolvimento recente da «gestão participativa» ficou-se a dever, essencialmente, a dois tipos de factores:

- Por um lado, no domínio das teorias da administração e da análise organizacional, vários autores têm vindo a mostrar, com a sua reflexão teórica e com a sua investigação empírica, a importância dos indivíduos (da sua racionalidade, da sua autonomia e das suas estratégias) nas organizações. É neste contexto que hoje se fala dos «actores» organizacionais e da sua «racionalidade», das organizações como «arenas políticas», da «autonomia», «estratégias» e «jogos relacionais» dos actores, das «dinâmicas da acção organizada», etc.

- Por outro lado, no domínio das práticas de gestão empresarial tem-se assistido à influência crescente dos princípios e modelos japoneses, com a criação de dispositivos de «desenvolvimento organizacional» baseados na partilha de responsabilidades pelas equipas de trabalho; com o aparecimento dos «círculos de qualidade» como forma de associar voluntariamente os trabalhadores à resolução de problemas e ao processo de tomada de decisão; com o desenvolvimento do trabalho em equipa; com a co-responsabilização dos trabalhadores na elaboração dos projectos da organização e consequente comprometimento na sua execução; etc.

Abreviando, por força das circunstâncias, a descrição da lenta e complexa evolução que este movimento sofreu desde o seu início, podemos dizer que ao longo destes últimos 70 anos a participação dos trabalhadores na gestão foi sendo sucessivamente reivindicada: por razões psicossociais (como forma de motivar os trabalhadores); por razões políticas (como forma de democratizar o governo das empresas); por razões sociais (como forma de conciliar a liberdade individual com a necessária integração social); e, finalmente, por razões “gestionárias” (como forma de melhorar a qualidade do trabalho, de ajustar a organização à turbulência exterior, e resolver a complexidade dos problemas organizacionais).

Deste modo, é possível dizer que existe, hoje, um largo consenso quanto à necessidade de introduzir formas de «gestão participativa» nas organizações (públicas ou privadas, industriais ou de serviços, lucrativas ou sem fins lucrativos), embora, como vimos, as motivações possam ser muito diversas.

Também na EAD se assistiu a um movimento idêntico, embora só recentemente se tenha generalizado o conceito. Para isso muito contribuiu a introdução do modelo de Gestão assente no standard ISO, no caso o 9001:2000. Hoje, as questões relativas à aplicação das directrizes emanadas no Conselho de Administração através da Comissão Executiva, partilhadas e aceites pelos membros do GCQ, Grupo Coordenador da Qualidade e Ambiente, permitindo dessa forma a gestão participativa e potenciando resultados.

7 Resposta to “O CONCEITO DE GESTÃO PARTICIPATIVA”

  1. Paulo Cabo Diz:

    Como é que encara a relação Liderança autocrática Vs Gestão Participativa?De que forma este tipo de liderança se relaciona com a Gestão Participativa?Aceita-a ou não?Isto tendo em conta que será um tipo de liderança muito mais resistente á mudança e centrador de toda a decisão e responsabilidade.

    Sem nada acrescentar e com os melhores cumprimentos,

    Paulo Cabo

  2. EAD Diz:

    Liderar deixou de ser a arte de as dirigir para as fazer agir!

    Esta é a minha visão!

    Paulo Veiga

  3. Ivaneth Ramos Nascimento Diz:

    É um conjunto de princípios e procesos pelo qual se atribem influências ou poder acrescido às pessoas (colaboradores), designadamente através do desenvolvimento no processo de decisão, concedendo autonomia, responsabilidade e autoridade, utilizando suas habilidades e seus conhecimentos. Nesse ambiente, as pessoas possuem automotivação. pois passam a participar das soluções dos problemas da empresa, a criar e inovar nas suas atividades e, como consequência, a produtividade e a qualidade aumentam.

  4. Emilene Silva de Oliveira Diz:

    Gostaria de saber se em uma grande instituição onde as metas são definidas “de cima para baixo” sem a possibilidade de negociação. Como implantantar uma gestão participativa em uma equipe a ponto destes se sentirem parte da solução para chegar ao resultado sem que o clima fique tenso.
    Estou falando de um departamento comercial onde as metas são super agressivas e as cobranças também porém gostaria de “chegar ao resultado” de outra forma.

  5. Daniel Peres Diz:

    Quais são as características das metas eficazes? Seria melhor não tê-las do que ter metas que não satisfazem esses critérios?

  6. Carla Diz:

    Que qualidades são essenciais a um gestor líder que quer estabelecer uma gestão democrática na escola?
    Que aspectos você considera mais importantes no que diz respeito à relação que existe entre gestão participativa e qualidade da educação?

  7. EAD Diz:

    O gestor educacional deve liderar uma gestão participativa e democrática na relação com os professores, funcionários e com a comunidade, mostrando-se positivo e confiante no desenvolvimento dos trabalhos, atuando como mediador, compartilhando as suas ideias sabendo ouvir, sendo aberto e flexível à contribuição de todos para que os profissionais da escola e a comunidade se sintam valorizados, reconhecidos e motivados para que a escola atinja um processo de ensino e aprendizagem de sucesso.
    Um gestor líder deverá ser audacioso, ter visão, diálogo e ser bom ouvinte, sempre disposto a buscar “novos caminhos”, novas respostas, visando o que há de melhor para a instituição, pois isso resulta na melhoria da educação.

    Podemos entender como “novos caminhos” desafios a serem enfrentados pelo gestor educacional que deve viver no presente, sem lamentar o passado e planear o futuro criando novas ações sem medo da ocorrência de falhas por sentir segurança junto da sua equipa. Torna-se indispensável que o gestor escolar lidere a realização do Projeto Político-Pedagógico o qual deve estabelecer as propostas elaboradas pela comunidade intra e extra escolar para nortear as práticas pedagógico-educativas.

Deixe Uma Resposta

*

What is 13 + 8 ?
Please leave these two fields as-is:
Para avançar, é necessário resolver a conta matemática. Obrigado