Quem me conhece sabe que costumo dizer, apenas na contabilidade as pessoas estão do lado dos gastos, nas organizações que se querem modernas, inovadoras e sustentáveis, é comum a área dos RH ter o nome de Capital Humano. Penso que é uma expressão fantástica e demonstra uma visão correta da importância das pessoas nas empresas.

Acresce ainda que esta é uma área fortemente regulamentada, desde os direitos e deveres, passando pela segurança e saúde, sendo igualmente um dos principais focos de tensões, que são muitos mais do que por exemplo com clientes ou fornecedores. Portanto, não há hipótese: as administrações tem de dar toda a atenção aos seus recursos humanos.

Infelizmente a realidade neste seculo XXI é ainda bastante díspar, existem empresas que impõe aos seus colaboradores condições de trabalho, horários, remuneratórias ou segurança, de bradar aos céus, como se diz perante situações que são difíceis de acreditar.

Também é verdade que não existem empresas perfeitas, mesmo as “boas” empresas, aquelas que são atrativas para trabalhar, necessitam de produtividades elevadas e enfrentam um desafio permanente de estarem sempre em conformidade legal e laboral.

Finalmente existem as pessoas, com os seus medos, desejos, anseios e expectativas, todos diferentes, resultado, essencialmente, da geração a que pertencem.

É por isso que também digo que gerir pessoas é uma arte e exige uma especial habilidade, ainda que não existam receitas que garantam os melhores resultados em todo o tipo de empresas e lideres. No fundo trata-se de uma aprendizagem mútua.

Se me perguntassem qual a receita que poderia garantir melhores resultados, diria que será a que concilia o Capital Humano e os gestores da Empresa, juntos e alinhados como uma equipa vencedora. Eu passo a explicar, ao capital humano cabe o entendimento e alinhamento profundo da Gestão de Pessoas e acompanhar permanentemente e fornecer o feedback às Administrações. Igualmente fundamental é  o conhecimento das equipas e da Cultura organizacional, conhecer o ADN.

Ao CEO, cabe o papel de colocar em prática a sua forma de gerir pessoas, promovendo a cultura da sua empresa, para isso deve conhecer cada um dos elementos da sua equipa e saber gerir as ferramentas existentes em conformidade. Deverá estar presente, dar feedback, apoiar e fazer crescer os seus colaboradores, o seu capital Humano.

Paulo Veiga
(CEO da EAD)

De acordo com a Lei nº 144/2015, em caso de litígio, os consumidores podem recorrer ao Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa, Rua dos Douradores, 108, 2.º, 1100-207 Lisboa. Tel.: 218807030 - Fax: 218807038, E-mail: juridico@centroarbitragemlisboa.pt, Site: www.centroarbitragemlisboa.pt

EAD © 2018. All rights reserved. Termos e condições